Quebrado, mas não descartado



Eu estava na roda
quando quebrei
Não foi teu descuido
Disso eu sei
Eu que era frágil
E me descuidei

Sorte minha
tive tua mão a me aparar
Mesmo quebrado
Não me quiseste descartar

Tua roda, oleiro,
Não deixou de girar
Só um amor verdadeiro
pode me modelar

Que eu jamais me enrijeça
enquanto moldas meu ser
E a cada dia eu reconheça
O quanto tenho que aprender

E se de novo eu quebrar,
como um jarro de flores
que seja na roda do oleiro,
e não dos escarnecedores



Hermes C. Fernandes